Butantan localiza variante sueca do novo coronavírus em SP e confirma outro caso da sul-africana

0
391

Pesquisadores do Instituto Butantan identificaram, pela primeira vez no estado de São Paulo, a presença da variante sueca do novo coronavírus, a B.1.1.38. Além disso, a rede de monitoramento identificou um novo caso da variante sul-africana, a B.1.351.

As mutações fazem parte da dinâmica natural do novo coronavírus e nem todas as mutações são motivo de alerta para os cientistas. A sueca B.1.1.38 é considerada uma “variante de interesse“, que indica que ela é acompanhada, mas ainda não foi associada ao agravamento da pandemia. Já a sul-africana B.1.351é considerada uma “variante de preocupação“, assim como a brasileira P.1, ambas com mutações associadas ao um maior potencial de transmissão.

A variante sueca já tinha sido reportada ao menos uma vez em uma análise de Santa Catarina divulgada no começo de março. Já a sul-africana, antes verificada em dois pacientes de Sorocaba, no interior paulista, agora foi identificada em amostra coletada na Baixada Santista. As variantes foram localizadas em amostras de pacientes coletadas na semana passada.

Gravidade dos casos e eficácia da vacina

Segundo Sandra Coccuzzo, diretora do Centro de Desenvolvimento Científico do Instituto Butantan, os estudos sobre os achados agora vão avaliar como a doença vai afetar os pacientes infectados pelas variantes irão evoluir e também vão analisar como a vacina CoronaVac atua diante dessas variantes.

Sandra afirmou que os estudos sobre o impacto das variantes sobre o imunizante estão em andamento e devem ser apresentados para a Anvisa até o fim do mês.

Para a variante que se tornou predominante na segunda onda no Brasil, a P.1, já há estudo que aponta que a vacina teve eficácia contra variante brasileira do coronavírus identificada pela primeira vez na capital do Amazonas.

Continua depois da Publicidade