Governo de SP anuncia recuo e coloca todo o estado na fase amarela do plano de flexibilização

Seis regiões que estavam na fase verde retornam à amarela a partir desta segunda. Entretanto, número de casos e taxa de internações em algumas regiões do estado são compatíveis com fase laranja, ainda mais restritiva. Anúncio foi feito menos de 24 horas após as eleições

Por G1

O governo de São Paulo colocou todo o estado na fase amarela do plano de flexibilização econômica. O anúncio foi feito durante coletiva de imprensa no início da tarde desta segunda-feira (30).

A fase amarela no plano de flexibilização é mais restritiva do que a verde em que parte do estado estava até esta segunda e limita mais os horários de funcionamento do comércio e serviços, por exemplo. Seis regiões, entre elas a capital paulista regridem da fase verde para a amarela, já a partir desta segunda.

As demais 11 regiões, que já estavam na fase amarela, não avançam e seguem no mesmo estágio. Apesar disso, duas regiões do estado têm indicadores suficientes, como o aumento da taxa de internações, para migrar para a fase laranja, ainda mais restritiva (leia mais abaixo).

“Com o claro aumento da instabilidade da pandemia, o governo do estado de São Paulo e o centro de contingência da covid-19, decidiram que 100% do estado de São Paulo vai retornar para a fase amarela do Plano São Paulo. Essa medida, quero deixar claro, não fecha comércio, nem bares, nem restaurantes. A fase amarela não fecha atividades econômicas, mas é mais restritiva nas medidas para evitar aglomerações e o aumento do contágio da Covid-19”, disse o governador João Doria (PSDB).

A atualização da reclassificação foi divulgada menos de 24 horas após as eleições municipais e só foi permitida por conta de novas alterações feitas nas regras do plano.

O que muda no retrocesso da fase verde para amarela

Eventos com público em pé passam a ser proibidos;

Ocupação máxima de Shopping centers, galerias, comércio e serviços passa de 60 para 40% da capacidade e o horário de funcionamento passa a ser reduzido de 12 para 10 horas por dia;

Ocupação máxima de restaurantes ou bares para consumo local passa de 60 para 40% e o horário de funcionamento será restrito a 10 horas por dia e até as 22 horas.

Ocupação máxima de salões e barbearias passa de 60 para 40% da capacidade e o horário de funcionamento passa a ser reduzido de 12 para 10 horas por dia;

Eventos, convenções e atividades terão sua capacidade máxima limitada de 60 para 40%, o controle de acesso é obrigatório, assim como hora e assentos marcados.

Academias de esporte de todas as modalidades e centros de ginástica terão capacidade de ocupação máxima limitada de 60 para 40% do local e o horário reduzido de 12 para 10 horas;

De acordo com o Plano São Paulo, cinemas, teatros e museus podem permanecer abertos na fase amarela. No entanto, as prefeituras têm autonomia para decidir o que e quando deve reabrir. Na capital paulista, o prefeito Bruno Covas (PSDB) determinou que a abertura dos setores da cultura só ocorreria quando a cidade estivesse na fase verde.

Na fase amarela é permitida a abertura de instituições de ensino públicas e privadas do estado. Portanto, as escolas permanecerão em funcionamento.

“Essa mudança para a fase amarela não altera a programação de volta as aulas e as escolas não serão fechadas”, disse Doria.

O governador também anunciou que o tempo de análise de dados deixará de ser a cada 28 dias e passará a ser a cada 7 dias. No entanto, a próxima reclassificação ordinária está agendada para o dia 4 de janeiro.

“O centro de contingência decidiu também diminuir o tempo de análise de dados de 28 em 28 dias, para 7 em 7 dias, como já fez anteriormente. É uma medida de prudência que estamos tomando para retomar o controle da pandemia”, disse Doria.

Aumento nas taxas de internação

O governador João Doria (PSDB) anunciou também que fará uma reunião na terça-feira (1) com 62 prefeitos de cidades que apresentaram elevação nas taxas de internação e ocupação de leitos no estado de São Paulo.

“Amanhã, às 16 horas, o governo de São Paulo fará uma reunião virtual com 62 prefeitos de 62 cidades do estado de São Paulo que apresentaram elevação nas taxas de internação e ocupação de leitos aqui no estado de São Paulo com objetivo de melhorar o controle da pandemia neste municípios e oferecer a eles se necessário apoio para que possam proceder com as orientações do governo do estado de São Paulo”, disse Doria.

De acordo com os dados do governo, a cidade de São Paulo e municípios da Grande São Paulo têm atualmente índices compatíveis com medidas ainda mais restritivas, compatíveis com a fase laranja do plano, graças à piora da doença na capital, nos municípios do Grande ABC, que compõe a sub-região Grande SP Leste, e na sub-região Grande SP Norte.

Os dados foram calculados pela produção da TV Globo a partir das regras oficiais do Plano SP, depois que o governo estadual anunciou que a reclassificação seria congelada até dia 30 de novembro, após o segundo turno das eleições, na segunda-feira (18). Os resultados da análise desta reportagem não correspondem à classificação oficial do plano porque esta é definida pelo governo estadual em datas específicas.

A Prefeitura de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, decidiu endurecer as regras para setores de comércio e serviços a partir desta segunda-feira (30). A cidade registra quase 70% de ocupação de leitos de UTI para a Covid-19 e as mudanças foram tomadas pela gestão municipal para conter avanço da doença.

Regridem para a fase amarela:

Grande SP inteira, incluindo capital

Taubaté

Campinas

Piracicaba

Sorocaba

Baixada Santista

Permanecem na fase amarela:

Araraquara

Araçatuba

Bauru

Franca

Marília

São João da Boa Vista

São José do Rio Preto

Presidente Prudente

Ribeirão Preto

Registro

Barretos

Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade