Isabella Nunes fala sobre o Dia do Psicólogo em época de pandemia

0
819

Confira no final da matéria, o podcast exclusivo abrangendo o assunto

Por: Gabriela Mayara

O Dia do Psicólogo é comemorado anualmente em 27 de agosto no Brasil. Esta data celebra o profissional da área da saúde responsável por estudar e orientar o comportamento humano, lidando com os sentimentos, traumas e crises.

A pandemia do novo coronavírus trouxe para a humanidade um pouco mais de sensibilidade e limitações. Trouxe a ansiedade e o medo à tona. No entanto, a psicologia tem ajudado muitos a superar todos esses sentimentos.

Com isso, a equipe de redação do Jornal Sudoeste Paulista procurou Isabella Franco Nunes, uma das psicólogas mais conceituadas da região para falar um pouco mais sobre o assunto.

Isabella tem 30 anos, se formou na Faculdade Sudoeste Paulista (FSP) em 2012, e conta que ama a sua profissão.  Ela trabalhou no GAMA de Fartura durante dois anos, lecionou na Etec de Taquarituba, também durante dois anos, e prestou concurso para Prefeitura Municipal de Taquarituba, onde atua profissionalmente nos dias de hoje.

“Amo o que faço e vejo que é uma profissão muito importante na época que estamos vivendo. Não só pela pandemia do coronavírus, mas pela pandemia do medo também. As pessoas estão se sentindo nervosas, os pacientes que já tinham ansiedade estão ainda mais ansiosos e os depressivos mais tristes. Mas com muito esforço, estamos trabalhando nisso.”, contou ela.

Depois de sua formação, Isabella já começou a atuar em sua área com a abordagem cognitivo comportamental, tendo especialização em psicopedagogia. Ela atende em seu consultório particular em Fartura, e em Taquarituba pela Prefeitura, trabalhando na área da saúde mental.

Segundo a psicóloga, a resiliência e a paciência são de suma importância nesse momento, ela diz que “entender que nem tudo podemos ter o controle é essencial para nossa vida. E o vírus veio para nos fazer entender isso, mesmo que seja de uma forma brusca”.

Com muito amor por sua profissão, Bela, como gosta de ser chamada, falou também sobre a importância de ouvir as pessoas e tentar entende-las. “A psicologia estuda a mente do ser humano, no entanto, pratica-la no dia a dia nos mostra o quanto é fundamental saber ouvir e falar, pois estamos sempre em busca e evolução e melhorias. Nisso entra o processo de psicoterapia, que ajuda no processo de evolução e autoconhecimento.”

O autoconhecimento ou conhecimento de si é a investigação de si mesmo. Ele envolve o uso da autoconsciência e o desenvolvimento da autoimagem. Também pode ser um projeto ético, quando o que se busca é a realização de algo que leve o sujeito a ser mestre de si mesmo e, consequentemente, um ser humano melhor.

Embora a pandemia tenha limitado algumas profissões, o processo de melhoria do ser humano e a busca do autoconhecimento para uma evolução consequente, está sendo cada vez mais procurado com os profissionais da área da psicologia. “Tudo nessa vida é um aprendizado. Para ser realizado o processo simples de andar, temos que ter pelo menos um ano de evolução. E para ter essa evolução, é trabalhado o incentivo. O que nós, profissionais da psicologia fazemos também, é incentivar o paciente, trabalhar a melhoria como ser humano. E cada um tem seu próprio tempo.”, frisou Isabela.

“Por mais que quando falamos do coronavírus, que é uma questão mais abrupta, vem a sensação do medo, da ansiedade e da tristeza, estamos sempre tentando trabalhar em nossos pacientes a questão da melhoria, autoconhecimento e evolução de si mesmos.”, complementou.

Na questão de limitações de profissões por conta do contágio da covid-19, o Plano SP do Governo do Estado, trouxe fases para a reabertura ou fechamento de comércios. A região do DRS de Bauru está na fase amarela, onde o comércio pode ser reaberto com restrições e horários reduzidos, incluindo consultórios médicos.

“Somente agora estou voltando a atender presencialmente, e pelo menos em Fartura e Taquarituba, eu vejo um respeito muito grande com as medidas de higiene. No entanto, muitos ainda relatam medo do contágio, da morte de entes queridos e medo de sua própria morte. Então esse vírus veio para confrontar muitas certezas que a gente tinha. Nós, enquanto seres humanos, temos a falsa percepção que temos o controle de tudo, e quando vem uma situação assim, percebemos que não temos o controle de quase nada. Então é uma boa hora para se ter autoconhecimento e refletir sobre o que de fato é importante na nossa vida.”, completou Isabela.

Finalizando a entrevista, a psicóloga deixou um conselho para todos os leitores: “Se você estiver se sentindo ansioso e com medo, primeiro procure o autoconhecimento. Depois procure a terapia e/ou um profissional que possa te ajudar. Não guarde esses sentimentos para você, divida com quem se sinta à vontade, pois quanto mais guardamos para nós, mais ficamos ansiosos. Quem gosta de escrever, de falar, de cantar, faça-os. Coloquem para fora de si tudo de ruim que está aí dentro. Procure alternativas de entretenimento, não veja muitas notícias ruins, e respire fundo. Pratique a respiração profunda, elevando o pensando para coisas positivas.”

Para melhorar sua saúde mental, procure ajuda: Rua Américo Brasiliense, 66. Sala 1, Centro, Fartura. Ou ligue: (14) 99764-3665, fale com Isabela.

Evite que ansiedade fale mais alto, ligue no Centro de Valorização da Vida: 188. Disponível 24 horas por telefone e no seguinte horário por chat: Dom – 17h à 01h, Seg a Qui – 09h à 01h, Sex – 15h às 23h, Sáb – 16h à 01h.

Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade