Eleições 2020: abuso de poder religioso e necessidade de preservação da moralidade do pleito

O ministro Edson Fachin do Tribunal Superior Eleitoral, ao proferir voto nos autos da Ação de Investigação Judicial Eleitoral nº 82-85.2016.6.09.0139, sugeriu: “propõe-se que, a partir das Eleições de 2020, seja assentada a viabilidade do exame jurídico do abuso de poder de autoridade religiosa em sede de ações de investigação judicial eleitoral”. Pedido de vista do ministro Tarcisio Vieira de Carvalho Neto suspendeu o julgamento no final.

A proposta do ministro Fachin há de ser refletida, pois não é de hoje a forte interferência na vontade popular através de autoridades religiosas, quer de forma presencial ou através das inúmeras concessões de rádio e televisão. Só o fato de algumas entidades desfrutarem da concessão de precioso serviço público de comunicação, já justifica o controle dos excessos na seara eleitoral.

É direito (fundamental) do eleitor firmar livremente sua convicção sobre a escolha daqueles que irão lhe representar, sem manipulação de valores com apelo religioso. Importante frisar que esse controle da moralidade das atividades religiosas durante o período eleitoral, nada interfere na liberdade de culto, pois como o Brasil é um estado laico, que não professa nenhuma religião, a interferência na vontade do eleitor pelas vias religiosas, reveste-se de contaminação contrária a inúmeros preceitos constitucionais.

Ao contrário de algumas opiniões, o ministro Fachin não está propondo inovação jurídica (ativismo); sua sugestão extrai do texto constitucional, a proteção da liberdade de escolha (consciência) do cidadão (eleitor).
Existem normas que permitem o controle desse abuso, como o art. 37, § 4º da Lei nº 9.504/97 que proíbe propaganda em templos. Ainda, o art. 242 do Código Eleitoral, veta a manipulação artificial da opinião pública através de práticas comunicativas tendentes à criação de estados mentais, emocionais ou passionais. Também o artigo 22 da Lei Complementar 64/90 – que trata dos abusos durante a campanha – deve ser interpretado à luz da moralidade e da razoabilidade, como assentado pela ministra Rosa Weber, afirmando que o mesmo “permite abarcar dentro do conceito de autoridade os atos emanados de dirigentes eclesiásticos” (RO nº 5370-03 DJe de 27.9.2018).

No velho continente, já existe há tempo o controle dos excessos praticados sob o manto da religião, como o Código de Boas Condutas em Matéria Eleitoral, promulgado pelo Conselho da Europa. Nas Américas, como exemplo México, Equador e Peru, também têm normas no mesmo sentido.
Acertada a sugestão do ministro Fachin, especialmente quando assinala: “se as eleições têm o sentido de fazer com que a vontade dos indivíduos seja convertida em vontade do Estado, a intervenção de práticas comprometedoras da liberdade de sufrágio ou da igualdade entre os competidores impede o alcance de seu objetivo, na medida em que a congruência entre a expressão aritmética das urnas e a vontade autêntica da comunidade política ressai esfacelada”.

O Brasil aguarda um pronunciamento definitivo do Tribunal Superior Eleitoral já para as eleições de 2020, sempre lembrando as lições da história, onde o enlaçamento do estado com a religião, nunca produziu bons resultados.

*Jose Antonio Gomes Ignácio Junior, advogado, professor de Direito na Faculdade EDUVALE, mestre em Teoria do Direito e do Estado, especialista em Direito Tributário, eleitoral e público, doutorando em Ciências Jurídicas pela Universidade Autônoma de Lisboa Luiz de Camões (Portugal).

Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade