Exclusivo: paciente de covid-19 que se envolveu em polêmica concede entrevista ao Jornal Sudoeste Paulista

Paciente procurou atendimento no Pronto Socorro de Fartura por duas vezes

 Ele falou sobre o isolamento no Paraná e sobre a gravidade dos sintomas do novo coronavírus

 Após polêmica envolvendo um paciente que testou positivo para covid-19 no município de Fartura, porém possui imóvel em Carlópolis, o Jornal Sudoeste Paulista conseguiu entrevista exclusiva com o rapaz, para que ele pudesse contar como foi sua experiência com a doença e como lidou com a polêmica que o envolveu.

O início de tudo

S., de 38 anos, não quis se identificar para evitar mais problemas pessoais, no entanto, informou com detalhes como foi que tudo aconteceu. O paciente viajou para o município de São Paulo a trabalho no dia 17 de março e retornou à Fartura no dia 07 de abril, porém, segundo ele, sempre tomando os devidos cuidados, usando máscaras e álcool gel. No entanto, começou a sentir os sintomas, como tosse e febre acima dos 38 graus.

No dia 10 de abril procurou atendimento médico do Pronto Socorro de Fartura e acabou diagnosticado com gripe, sendo recomendado o isolamento por precaução. Quatro dias depois, dia 14, sem apresentar melhoras, retornou ao Pronto Socorro e, foi então levantada a suspeita de contaminação pela covid-19, doença que leva ao novo coronavírus.

Isolamento em Carlópolis

Depois do dia 14, o paciente contou que se locomoveu para seu imóvel localizado no município de Carlópolis/PR, sem manter contato algum com terceiros. Ele informou que se manteve apenas em sua casa de lá, e dentro de seu carro, com vidros fechados, usando máscara, evitando assim, qualquer contato físico com os moradores do município paranaense.

Os médicos farturenses continuaram acompanhando o paciente via telefone, porém, o paciente não viu necessidade de informar que estava isolado em Carlópolis, pois foi a única forma que encontrou de realmente se isolar. S. explicou que a casa que possui na cidade de Carlópolis não conta com nenhum outro morador e que, ele tem amigos e familiares, somente em Fartura.

Cansaço excessivo, falta de ar, febre e vômitos

A partir do primeiro dia de seu isolamento, S. começou a ter sintomas mais fortes, como cansaço excessivo, mesmo sem fazer esforço, além de falta de ar por algumas horas quando anoitecia, a tosse era incessante, com febre o tempo todo e vômitos repetidos durante os dias.

O paciente também contou à reportagem que os alimentos que ele podia ingerir eram deixados por seus familiares no portão de sua casa, e depois que eles saiam de lá, é que S. os pegava, para não haver risco de contágio.

“Foi uma parte muito difícil da minha vida, sem dúvida. Eu ter que me virar sozinho mesmo com todos os sintomas fortes, não poder abraçar ninguém da minha família mesmo sabendo que essa doença pode levar a morte, e sentir todos os sintomas sem ter um remédio para aliviar é desesperador.”, contou o rapaz.

Melhora e confirmação da doença

No dia 22 de abril, o paciente já estava se sentindo melhor, conseguindo andar sem dificuldade para respirar. Então decidiu fazer os exames para ter certeza de que estava com a covid-19, pois até o momento, ele era apenas um suspeito que tomou os devidos cuidados.

Continua depois da Publicidade

Depois de confirmar que realmente tratava-se do novo coronavirus, ele se encontrava curado e não corria riscos de contagiar ninguém. Porém, segundo ele, a equipe da Secretaria da Saúde de Carlópolis recebeu denúncia anônima no dia 27 de abril, e entrou em contato com S. para confirmar o caso, o qual prontamente apresentou seus exames e aceitou fazer um novo teste para a equipe carlopolense, onde, no dia 28, obteve o mesmo resultado do exame anterior, que era positivo.

Após, a Secretaria de Saúde de Carlópolis emitiu a nota informando sobre o teste realizado e que o caso que estava sendo notificado como de Fartura, continuaria sendo de Fartura, visto que o paciente possui sua residência fixa neste município.

Pais idosos e residência fixa em Fartura

Já sobre a polêmica de suas residências, ele explica que a casa que possui em Carlópolis está vazia e à venda, seus familiares, bem como seus pais idosos, moram em Fartura, e apesar de ele trabalhar em São Paulo e possuir uma casa lá também, a sua residência fixa é em Fartura.

“Meus documentos, título de eleitor, CNH, veículo e cartão do SUS são todos registrados em Fartura. Não houve motivo nenhum para eu me isolar em Carlópolis senão o fato de eu ter pais idosos, familiares e amigos em Fartura. Em nenhum momento desdenhei da Saúde paranaense ou nada assim. Apenas permaneci completamente isolado e assegurando que mais ninguém iria se infectar”, ressaltou S.

Apoio dos amigos

Logo após vir a público, seu caso já não era mais segredo para algumas pessoas próximas e colegas de trabalho. Então recebeu muitas mensagens de solidariedade. “Muitos amigos estavam desesperados com o assunto e algumas fake news, pois sabiam que jamais colocaria alguém em risco. Então procurei grupos em redes sociais do município de Carlópolis e esclareci por áudio tudo que havia acontecido.”, disse ele.

Doença é realmente grave e desesperadora

Finalizando a entrevista, S. ressaltou que não havia condições de se expor e arriscar contágio somente para avisar a equipe de Saúde de Carlópolis, sendo que seu atendimento estava sendo exclusivo com um médico farturense e sua residência fixa era em Fartura. “Aliás, eu tenho muito que agradecer aos médicos que me atenderam e ao que me acompanhou durante esses dias difíceis em minha vida. Ele não é só um médico para mim, mas também um amigo que confio meus momentos bons e ruins. Quero também deixar claro que antes mesmo de ter certeza que estava com covid-19, tive a responsabilidade de procurar um médico e me isolar da melhor forma possível, pois jamais colocaria em risco qualquer pessoa do meu convívio ou não. Mesmo após estar me sentindo melhor, cumpri o isolamento até o dia 28, como foi recomendado pelo médico. Eu não estava me escondendo, mas sim protegendo minha família e a família de todos. Sou uma pessoa íntegra, de caráter e responsabilidades. Agradeço de coração a todos que se preocuparam e me ajudaram de alguma forma. E peço gentilmente que todos se cuidem e fiquem em casa se puderem, pois essa doença é realmente grave e desesperadora, não é apenas uma gripe como alguns relataram. E mesmo tomando todos os cuidados, meu serviço está listado como essencial, então eu não tinha escolha. Mas quem tem essa escolha, por favor, saia de casa apenas se necessário e tome todos os cuidados que puderem.”, recomenda ele.

Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade