Motoristas devem estar atentos ao limite de velocidade na Raposo Tavares

Os sete mil motoristas que trafegam diariamente pela Rodovia Raposo Tavares (SP 270) devem estar atentos as placas que regulamentam a velocidade máxima permitida na via. No trecho que corta Paranapanema, a regulamentação é de no máximo 60 Km/h, isso devido às obras de modernização da pista. Além de causar lentidão em alguns trechos, existem as operações Pare e Siga, que exigem paciência dos condutores e que programem uma viagem com antecedência para evitar atrasos.

A orientação da Polícia Militar Rodoviária é que seja redobrada a atenção naquele perímetro. Capitão Ricardo Maganha, comandante da Companhia, que é comandante da área que envolve Paranapanema citou que o local permite a operação de radar, nos termos da regulamentação em vigor. “Em razão das diversas demandas que temos, operamos o radar nos trechos mais críticos”, alertou o comandante.

Usuários da Rodovia divulgaram recentemente que estão sendo lavradas as multas por excesso de velocidade no trecho próximo à Paranapanema. Ainda não há prazo para que as obras sejam concluídas. As intervenções ocorrem das 7h às 17h e o segmento permanecerá sinalizado com placas indicativas, de regulamentação de velocidade, limitada a 60 km/h no local em obras, além de homens bandeira.

Continua depois da Publicidade

As modernização da SP 270 é dividida em oito lotes e cobre 204 quilômetros da rodovia, entre os municípios de Itapetininga e Ourinhos. Estão previstas a duplicação de 50,4 quilômetros, implantação de 122,7 quilômetros de terceiras faixas (em ambos os lados da rodovia), recuperação de 153,5 quilômetros de pistas simples e acostamentos, e revitalização completa da sinalização. O DER implantará também 21 novos dispositivos de acesso, e outros 14 dispositivos existentes receberão melhorias e aprimoramentos. Também estão sendo construídas três novas passarelas e um viaduto.

O montante a ser investido pelo Governo do Estado nas obras é de aproximadamente R$ 635 milhões e foi financiado pelo Banco Mundial, via Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD), Agência Multilateral de Garantia de Investimentos (MIGA) e Banco Santander.

Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade
Continua depois da Publicidade